terça-feira, 25 de agosto de 2009

ÉTICA x SISTEMA

Ser um líder corporativo no cenário atual não é nada fácil, vejamos os esforços relacionados a ética.
Aprofundando a reflexão relacionada a ética organizacional, nos perguntamos: " Quais são os limites? Onde, quando e por quê a ética é possível e real em um mercado capitalista focado na prospecção financeira? Afinal, o homem, agora explora de maneira lucrativa a solução dos problemas que criou e chama esse processo de sustentabilidade.
Os líderes das corporações devem estar completamente situados e inseridos na realidade mercadológica de sua instituição. Devem saber trabalhar todas as vertentes que fazem da organização sua imagem, reputação, caráter, valores, políticas, ações e objetivos, definindo-a em um plano real de seus públicos.
A liderança é um patamar de extrema responsabilidade, de muita influência, e, muitas vezes, o próprio espelho da corporação. Justamente, devido ao "peso" agregado às lideranças, cobra-se dos respectivos líderes as ações moralmente corretas, a ética como princípio básico para as decisões e um comprometimento responsável com o bem estar.
Como exemplos corporativos para ajudar na reflexão podem ser citados o líder da Eternit, Empresa produtora de telhas e tampas de reservatórios de água, e o líder da Philip Morris, indústria do tabaco. O primeiro defende o uso de amianto na produção de seus produtos; a matéria-prima é considerada legal, porém é cientificamente comprovado que é prejudicial a saúde podendo causar o câncer de pulmão. Já a indústria do Tabaco, além de comercializar um produto que também se encaixa nas leis, mas faz mal ao bem estar público, propôs que as taxas governamentais em cima do produto fossem fixadas em sua máxima, justificando que dessa maneira os governos arrecadariam mais impostos, porém não divulgam que trata-se de uma estratégia que prejudica a venda dos produtos da concorrência.
Bem, esses são alguns exemplos de caminhos éticos concretizados por algumas lideranças corporativas.
Reflitam!

Um comentário: